A tecnologia 5G já está no Uruguai: ela tem impacto na saúde?

Com essa tecnologia, podemos nos conectar à Internet em uma velocidade mais rápida, além de obter melhor conectividade e maior eficiência energética. Mas e quanto aos possíveis impactos na saúde?
Início " Blog " Telecomunicações " A tecnologia 5G já está no Uruguai: ela tem impacto na saúde?
Conteúdo

A tecnologia celular 5G já está disponível no Uruguai há alguns meses. Essa implantação permitirá que os usuários tenham acesso a velocidades mais altas de upload e download de dados, enquanto para os provedores de telecomunicações significa a possibilidade de oferecer redes de baixa latência, maior capacidade de conectividade (mais dispositivos conectados simultaneamente) e mais eficiência energética, preparando a infraestrutura que permitirá novos aplicativos, casos de uso de conectividade e serviços. 

Apesar de seus benefícios, ressurgiram dúvidas sobre a ligação entre o 5G e a saúde das pessoas. O que sabemos sobre isso?

O que dizem as evidências científicas 

Os possíveis efeitos das emissões eletromagnéticas sobre a saúde têm sido objeto de estudo há décadas. Antes de entrar na discussão, é importante diferenciar entre radiação não ionizante (ondas de rádio, micro-ondas) e radiação ionizante (por exemplo, raios X). Esta última tem se mostrado prejudicial à saúde.  

Para os primeiros, entretanto, não há evidências científicas suficientes para afirmar que eles afetam a saúde

Há uma grande quantidade de pesquisas de fontes independentes sobre esse tópico (por exemplo, a compilada neste documento da Organização Mundial da Saúde). Esses estudos foram realizados ao longo de várias décadas, em diferentes partes do espectro eletromagnético, em diferentes populações, e nenhum deles mostrou que a exposição a ondas eletromagnéticas na região do espectro em que as tecnologias celulares operam (2G, 3G, 4G e 5G) é prejudicial à saúde. 

Como princípio de precaução, a Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não Ionizante (ICNIRP) definiu limites de emissão recomendados. 

Um ponto importante a ser entendido 

Os telefones celulares têm a capacidade de receber sinais com potência muito baixa. Em outras palavras, não é necessário emitir radiação de alta potência para se comunicar. 

Atualmente, as potências utilizadas são muito inferiores aos limites considerados seguros (como princípio de precaução), de acordo com estudos científicos. 

No entanto, há algumas dicas para usar o celular de forma responsável, como ativar o viva-voz ou conectar fones de ouvido para manter o aparelho longe do corpo ao falar. E, em geral, não o mantenha sempre consigo, por exemplo, deixe-o sobre uma mesa quando estiver em casa ou no escritório. 

Há alguma mudança significativa para a saúde entre o 5G e as tecnologias anteriores?

O nível de potência irradiada diminui à medida que você se afasta da antena do transmissor. Se analisarmos as comunicações celulares do ponto de vista do usuário, podemos dizer que quase sempre haverá uma incidência maior de radiação do próprio celular do usuário do que da estação rádio-base da operadora móvel.  

Por outro lado, muitas implantações de 5G estão nas mesmas frequências ou em frequências semelhantes às das tecnologias anteriores, como 4G, 3G ou 2G. No caso do Uruguai e de grande parte da América Latina, as implantações maciças que começarão em 2023 estão na banda de 3,5 GHz, o que, para esses fins, não é muito diferente das tecnologias anteriores que funcionam na faixa de 700-2600 MHz. 

A novidade do 5G é que ele também inclui implementações em frequências mais altas (bandas de ondas milimétricas ou mmWave), sempre dentro da parte não ionizante do espectro eletromagnético. Essas frequências mais altas significam que, por um lado, a atenuação é mais rápida com a distância e, por outro lado, a profundidade de penetração da onda eletromagnética no corpo humano é muito menor.  

Além disso, espera-se que sejam instaladas mais antenas do que nas tecnologias anteriores. No caso do mmWave, ele provavelmente será usado em casos específicos e com cobertura muito limitada, já que a potência dessas bases de rádio cairá rapidamente à medida que nos afastarmos. Embora sejam necessárias mais antenas, a radiação será mais limitada. Em geral, não representa uma diferença significativa nos níveis de radiação no ar em comparação com outras frequências já em uso. Em suma, podemos desmistificar o mito de que "quanto mais antenas, mais radiação". 

Outro ponto é que o 5G foi projetado com foco no uso eficiente da energia. Nesse sentido, há novas funcionalidades que permitem que o telefone celular permaneça inativo enquanto o canal de comunicação não estiver em uso, algo que já existe no 4G, mas que foi substancialmente aprimorado no 5G. Isso significa menos radiação eletromagnética para alguns tráfegos de dados. 

Em suma, não há diferenças substanciais em relação às tecnologias anteriores no aspecto da saúde, exceto pelo uso de frequências mais altas, que há muito tempo são usadas para outras tecnologias e ainda estão dentro das frequências não ionizantes.  

Uma tecnologia que forçará a inovação 

O 5G já é uma realidade de mercado na América Latina e, em particular, no Uruguai. Este 2023 é um ano muito importante em que as empresas de telecomunicações lançaram sua rede comercialmente em grande escala. É importante ficar de olho nos desenvolvimentos relacionados à transformação digital e às telecomunicações. É fundamental acompanhar de perto o impacto da tecnologia em nossa sociedade.  

O que é certo é que o 5G transformará a atividade econômica e industrial em diferentes verticais e forçará as próprias empresas de telecomunicações a inovar. O tempo dirá se elas conseguirão se adaptar a essa mudança. 


Por:

Mauricio González, gerente de linha de produtos de tecnologias de telecomunicações da Isbel.

Mauricio é engenheiro de telecomunicações pela Universidad de la República. Ele tem mais de 10 anos de experiência em telecomunicações em diferentes funções de suporte, implementação, gerenciamento de projetos e engenharia de vendas.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Entradas relacionadas

inteligência artificial

Inteligência artificial generativa nos negócios

Cada vez mais empresas estão incorporando aplicativos de IA generativa em suas operações. Como os funcionários percebem o impacto dessas ferramentas, o quanto estão familiarizados com elas e se há diferenças no uso entre perfis técnicos e não técnicos?

Veja mais "